Educação Para Todos

Presos de São Paulo participam de exame para conclusão dos estudos.

Avaliação do Encceja para os privados de liberdade ocorrerá em outubro e serve para certificar jovens e adultos nos ensinos fundamental e médio.

Mais de 25 mil reclusos da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) do Estado de São Paulo terão a chance de concluir os estudos nos ensinos fundamental e médio por meio do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL).

Ao todo, 25.811 presos estão inscritos para a prova. Realizado pelo Instituto Nacional de Ensino e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Encceja PPL serve para certificar, de uma forma mais ágil, participantes que não puderam ou tiveram dificuldades em finalizar o ensino regular na idade apropriada para cada nível.

A finalização desta etapa escolar é uma porta de entrada para o ingresso dos reeducandos no ensino superior, em cursos profissionalizantes e em oportunidades de emprego ainda dentro do sistema prisional, mas, principalmente, quando em liberdade.

Provas

As provas irão ocorrer nos dias 13 e 14 de outubro. O primeiro dia será destinado aos internos que pretendem se formar no ensino fundamental e contará com tópicos de Línguas Portuguesa e Estrangeira Moderna, Ciências

Naturais, Matemática, Artes, Educação Física, História, Geografia e Redação.

Já no segundo dia, os candidatos à conclusão do ensino médio irão responder questões sobre Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias, Matemática e suas Tecnologias e Redação.

Certificação

Para obter o certificado, o participante deve atingir o mínimo de 100 pontos em cada uma das áreas de conhecimento e o mínimo de cinco pontos na prova de redação, adicionalmente à nota mínima das matérias de cada módulo.

Fonte: SAP

Posts Similares

3 Comentários

  1. I don’t think the title of your article matches the content lol. Just kidding, mainly because I had some doubts after reading the article.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *