Logo Instituto Recomeçar
Espaços educacionais de presídios paulistas passam por melhorias

Espaços educacionais de presídios paulistas passam por melhorias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Verba do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE-SP) foi disponibilizada pelas escolas vinculadoras.

Desde 2020, estabelecimentos penais da Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Metropolitana de São Paulo (Coremetro), da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), trabalham com a oferta de estudo pelo Programa Educação nas Prisões (PEP) e contam com apoio financeiro para o investimento em infraestrutura e em material pedagógico a partir do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE-SP).

O programa instituído em 2019, disponibiliza às escolas estaduais recursos financeiros de forma facilitada e menos burocrática. Os repasses são feitos diretamente às Associações de Pais e Mestres (APM) das unidades escolares para que realizem pequenas reformas, manutenções emergenciais e adquiram equipamentos de forma mais ágil, contribuindo para a melhoria do ambiente escolar e do ensino.

Entre os estabelecimentos penais da Capital e da Grande São Paulo, 16 deles fizeram uso do benefício que, em comum acordo com as escolas vinculadoras, decidiram o destino de aplicação da verba.
Melhorias

Para as unidades prisionais de Franco da Rocha foram adquiridos notebooks, projetores, impressoras, além de itens pedagógicos e de papelaria que possibilitarão o desenvolvimento de diferentes atividades voltadas à Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Para a Diretora de Centro de Trabalho e Educação da Penitenciária III “José Aparecido Ribeiro” de Franco da Rocha, Michelle Yukie de Souza, “o recebimento dessa verba dá motivação e energia a mais para a implantação de projetos que até então sempre estiveram no papel. O objetivo é fazer com que os alunos se interessem e valorizem ainda mais a educação”.

Responsabilidade

As penitenciárias e o Centro de Detenção Provisória (CDP) II de Guarulhos visaram, entre outras necessidades, a aquisição de itens de tecnologia e monitoramento das alas escolares. Com isso, as salas de aula agora contam com câmeras de vigilância e garantem mais segurança a educadores, agentes e alunos no ambiente escolar.
Para tornar as aulas ainda mais dinâmicas, kits com projetores, telas e caixas de som foram instalados, levando melhorias ao espaço educacional e, por consequência, ao aprendizado dos alunos.
Na Penitenciária I “José Parada Neto” de Guarulhos, o dinheiro também foi aproveitado para realizar reformas estruturais no local – nas instalações elétricas e hidráulicas – gerando ganho no bem-estar de todos que usufruem do ambiente.

Planos futuros

Parte do investimento aplicado pelos gestores da Penitenciária “ASP Joaquim Fonseca Lopes” de Parelheiros e pela escola vinculadora já vislumbram o momento pós pandemia de Covid-19, com o retorno das aulas presenciais. A aquisição de violão, caixas de som, microfone e tripé é voltada para projetos musicais a serem desenvolvidos pelos reeducandos, com foco no ganho educacional.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Livro Recomeçar:

o cárcere e a necessidade de se transformar no país imutável.

A Renova Eco Peças emprega entre outros profissionais, Douglas Oliveira, egresso do sistema penitenciário indicado pelo Instituto Recomeçar.