Logo Instituto Recomeçar
A cor da crise no empreendedorismo

A cor da crise no empreendedorismo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Eu não sei se você é uma pessoa branca ou negra, mas o que eu sei é que esse fato definiu a sua vida e define a minha vida também.

Quando falamos de violência contra mulheres, nós precisamos aumentar o recorte para falarmos de mulheres negras. A cada 23 minutos um jovem negro é assinado e aí entramos no enlutamento, na dor e na violência que diversas mães negras sofrem.

Essa mulher perde seu filho na mão do Estado e depois ela precisa continuar sem nenhum acompanhamento psicológico.

No Brasil são cerca de 180 casos de estupros por dia. A cada 2 minutos uma mulher é vítima de violência, mais de 50% dos assassinos são os próprios parceiros das vítimas e mais de 60% das mulheres mortas são negras, pesquisas mostram que nos últimos dez anos os homicídios contra mulheres brancas caíram enquanto que para as mulheres negras, esses índices só aumentam.

A mulheres negras são vítimas de violências historicamente, no pós abolição elas passam a ocupar as vagas de empregadas domésticas sendo antes mucamas, de babas sendo antes amas de leite, por que se abole a escravidão, mas não se pensa em mecanismos de inclusão e sobrevivência para a população negra, que fica a margem da sociedade.

A reflexão sobre a imagem das mulheres também é uma parte importante do enfrentamento a estereótipos discriminatórios que autorizam violências.

No caso específico das mulheres negras, no Brasil, esses estereótipos são agravados pela carga histórica escravagista de objetificação e subalternidade que reforçam mitos racistas como o da mulher negra hipersexualizada sempre disponível. “Mulheres pretas têm quadris mais largos e, por isso, são parideiras por excelência”, “negras são fortes e mais resistentes à dor”.

Percepções falsas como essas, sem base científica, essa é a violência que classificamos como obstétrica, mulheres negras são 53,6% das vítimas de mortalidade materna, 65,9% das vítimas de violência obstétrica e isso, novamente, pelo mito de sermos mais fortes.

Essa barreira permanece porque por mais escolaridade que a mulher negra tenha, a sociedade insiste em nos posicionar em lugar de servidão, além disso a sociedade criou uma fantasia que a mulher negra, por todo esse histórico, é a mulher forte, que suporta tudo, nos tirando o direito de sermos frágeis.

Nós somos fortes porque o Estado é omisso a tudo que acontece conosco.

A base da base da base da pirâmide é formada pelas mulheres negras, são essas que, em sua maioria, criam seus filhos sozinhas, porque são abandonadas pelos seus companheiros.

É real a solidão da mulher negra, a mais mal remunerada e quem, em meio a pandemia, é obrigada a ir buscar o sustento porque, novamente, não tem apoio do Estado.

Dentro de diversos cenários, percebemos que as mulheres negras estão na rua neste período de isolamento, porque a maioria não tem reserva de emergência para manter a casa ou os negócios.

Quem tinha um planejamento, que previa uma crise? Com este cenário muitas mulheres, principalmente as negras, vão se arriscar no empreendedorismo por sobrevivência.

O empreendedorismo é romantizado, colocam a falsa ilusão de que empreender é libertador, a maioria que empreende é mulher, estas são as que estão à frente de negócios precários ainda não formalizados, empreendem por necessidade, são as mais atingidas neste momento.

Diante desse entendimento, cabe às políticas públicas e às organizações que buscam minimizar e eliminar essas situações de pobreza e de vulnerabilidade social, atuar de forma a ampliar as oportunidades em termos de recursos e aprendizados que potencializem o universo dessas mulheres, ou seja, que favoreçam o protagonismo desse público no sentido da transformação social desejada.

Sobre Kelly Baptista:

Kelly Baptista Kelly Baptista Atua há 18 anos com projetos geração de renda, em especial para mulheres em situação de vulnerabilidade social e qualificação profissional de jovens periféricos, durante 11 anos, atuou como Coordenadora de Projetos Sociais do Consulado da Mulher, a ação social da marca Consul, o trabalho com mulheres de diversas comunidades brasileiras me proporcionou aplicar valores de solidariedade, cuidado, diversidade, gênero e educação popular, de 2016 a 2018 foi Conselheira Municipal de Políticas para Mulheres da cidade de São Paulo, atuando fortemente para a melhoria dos órgãos municipais envolvidos.

Pós-graduada em Gestão Pública pela Unifesp, atualmente está como General Leader, da Fundação 1Bi, responsabilidade social da MOVILE, que tem como sonho que a tecnologia promova oportunidades para todos os jovens brasileiros.

Eleita em 2014 uma das 25 jovens mulheres líderes, um programa de fortalecimento em questões de gênero e juventude, o projeto visava promover o desenvolvimento das capacidades das mulheres jovens no Brasil, facilitando assim que sejam sujeitos no exercício dos seus direitos atuando em três eixos idealizado pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Livro Recomeçar:

o cárcere e a necessidade de se transformar no país imutável.

A Renova Eco Peças emprega entre outros profissionais, Douglas Oliveira, egresso do sistema penitenciário indicado pelo Instituto Recomeçar.